O QUE NOS MOVE

 
 
“Qualquer movimento numa vida é um ato de arte.”
 
(Fernanda Montenegro)
 
Visibilidade, representatividade, resistência, poética, subjetividade, expressão, potência. Ao longo dos últimos anos, as edições do Festival Delas trouxeram à tona mais do que conceitos, tornados intenções: destes, brotaram respostas para perguntas que sequer havíamos nos perguntado, brotaram artes de onde não esperaríamos, brotaram inundações e resistências; brotaram, enfim, movimentos.
 
Mover-se é mudar de um lugar para outro, de um estado para outro. É deslocar-se. Estamos nos desconstruindo/construindo constantemente para realizar esse festival. A cada ano, a cada edição, a busca - movimento incessante - se intensifica e se torna mais parte de cada uma de nós, coletiva e individualmente. O Festival Delas - Mulheres na Arte, desde seu início, tem por objetivo contribuir para o questionamento dos espaços e formatos tradicionalmente conferidos à arte e colaborar com a produção, processos de desenvolvimento e reinvenção da arte brasileira em sua região, visando o protagonismo de mulheres, pautado pela luta por igualdade de direitos e visibilidade.
Nunca foi fácil; porém, em tempos incertos como este que estamos vivendo, política e socialmente, o peso - e também a responsabilidade - se tornam maiores, mais urgentes. Somos movidas pelo desejo de criar outras realidades, pois nos recusamos a aceitar esta que tenta destruir quem somos, nos negar direitos e os já escassos espaços que ocupamos, e perpetuar ou até por vezes aumentar o abismo das desigualdades. A opressão que vem para nos enfraquecer combatemos com arte. Criamos para que saibam que existimos, que resistimos; criamos para (sobre)viver. Nessa nossa luta, as ferramentas-armas são o corpo, a voz, a palavra, o gesto, o som, a tinta, o pincel, o palco, a rua, a história, o humor, a criação. É momento de desencobrir o poder que emana da vivência feminina. Daí nosso símbolo, boca aberta, de grito escancarado ou de fala não mais contida, com a potência de expressar angústias e alegrias, prazeres e conflitos, através da arte.
Arte que também é diálogo, uma trilha por onde nos propomos trazer experiências diversas de compreensão do mundo, para que nos fortaleçamos através da escuta e da troca. E neste caminho - nem sempre aberto, nem sempre visível, nem sempre possível, nem sempre pacífico - é que o Festival se pretende ser um espaço pulsante de movimentos. Movimentos de afirmação de nossas existências, de nossas verdades, de nossos direitos e vivências; movimentos de negação das barreiras e invisibilidades, da objetificação de nossos corpos, da inferiorização de nossa capacidade criativa. Porque, para criar, é preciso mover-se: não se estagnar, não se conformar, desviar, contornar, abrir brechas.
Pina Bausch uma vez disse não estar tão interessada em como as pessoas se movem quanto no que as faz se moverem. Tudo aquilo que nos move é o que faz este festival acontecer. O amor, o medo e a dúvida nos movem, bem como a certeza vivida, como no provérbio africano, de que quem quer ir depressa, caminha sozinha, mas quem quer ir longe, caminha acompanhada. Quando uma mulher se movimenta, todas se movimentam com ela.
 
 
Equipe Festival Delas
* este texto foi inspirado e produzido a partir de falas de artistas e produtoras participantes do Festival Delas 2019. A elas, nosso muito obrigada.

 

PROGRAMAÇÃO

 

14 a 31 de março

ARTES VISUAIS | 15 a 31 de março | segunda a sexta 09h-12h e 13h-17h,  sábado 09h-13h | 

Mostra Delas - #PRETAeu, Amanda Moa, Ana Cipolli, Carol Pimentel, Mari Moura, Meire Ramos, Paula Pimenta e Vive Almeida | Galeria Fernanda Perracini Milani (Teatro Polytheama)

Mostra resultante do processo de construção coletiva, através de encontros dedicados a reflexão dos projetos de criação individuais e partilha de referências e conteúdos entre as artistas da região selecionadas via chamamento, sob a orientação de duas artistas/professoras convidadas Andréia Dulianel e Geórgia Kyriakakis.

 

14 de março | quinta-feira

MÚSICA | 21h-02h | Fervo Delas - Dellacroix, DJ Furacão Alice, DJ Safo de Lesbos, Alice Guel, VJ Rebeca Konopkinas | Bar do Haules

O Fervo Delas compõe as atividades musicais que celebram o Festival Delas, com DJs e artistas de pesquisas diversas na música. Nesta edição, conta com DJs do cenário local - Safo de Lesbos e Furacão Alice -, duas cantoras/compositoras convidadas - Alice Guel e Dellacroix, com trabalhos que transitam pelo rap e música eletrônica - e projeções com a VJ Rebeca Konopkinas, do trio Estratosféricos.

 

15 de março | sexta-feira

TEATRO | 20h-21h | Afinação I - Georgette Fadel | Sala Jundiaí (FEPASA)

Em cena, a atriz e diretora Georgette Fadel interpreta a pensadora e professora francesa Simone Weil (1909-1943) em uma aula, acompanhada de um violoncelo, fazendo uma ode à razão. O texto, que inclui trechos de Brecht, Hegel, da própria Simone Weil e citações de Karl Marx, aborda as relações entre a opressão e o sofrimento no mundo, o boicote ao pensamento racional e a urgência da liberdade.

 

16 de março | sábado

OFICINA | 14h-18h | Captura Audiovisual de Guerrilha - Fernanda Schenferd | Casa Amarela |  Atividade com inscrições prévias*

Em tempos de efervescência política, social e moral, é necessário sair às ruas para defender direitos adquiridos e protestar. Nesta oficina, utilizando câmeras, celulares, tablets etc, serão tratados temas técnicos, conceituais e legislativos (o que pode ou não ser divulgado, quando entregar ou não material por demanda policial) para captura audiovisual de guerrilha.

TEATRO | 20h-22h | Capô: primeira abertura de processo - Sarah Lessa, Luciana Fróes, Laura Fajngold, Georgette Fadel (dir.) | Sala Jundiaí (FEPASA)

Três mulheres no fundo do mar habitam um coração de baleia azul, olhando destroços da civilização que afundam pelas correntes marítimas. Quem são elas, por que estão ali, quais suas histórias, estarão vivas ou mortas? Que novas formas de vida são possíveis nesse fundo? Essa primeira abertura de processo traz perguntas e respostas compartilhadas com o público em um debate para contribuir com essa criação.

 

17, 24 e 31 de março | domingos

OFICINA | 10h-15h | O Risível no Feminino - Daniela Biancardi | Ateliê Casarão | Atividade com inscrições prévias*

Vivência de exploração das identidades femininas com a atriz e palhaça Daniela Biancardi. Com base em exercícios físicos do teatro cômico e gestual e em sua experiência artística e política, propõe uma imersão entre mulheres artistas e não artistas pela prática teatral reflexiva, atravessando dimensões críticas e estéticas acerca dessas urgências. 

 

17 de março | domingo

CIRCO | 16h-18h | Prêt-a-porter Mulheres Circenses - várias artistas | Art no Ar

Inserindo a linguagem circense pela primeira vez no Festival Delas, uma apresentação ao estilo prêt-à-porter, onde artistas dessa linguagem da cidade de Jundiaí trazem números e performances de seu próprio repertório, articulada pelas artistas e produtoras Ana Clara Atui (Art no Ar) e Carol Reto (Respeitável Público), mostra a diversidade das possibilidades de criação que já são realizadas na cidade, porém nunca antes reunidas em uma única apresentação.

CINEMA | 19h-21h | Cineclube Delas - sessão 1 - Julia Canineo (curadoria) | Praça do Chafariz

Sessão de filmes relacionados ao universo feminino, produzidos e dirigidos por mulheres, com bate-papo ao final da sessão com Julia Canineo (curadoria) e Thais Craveiro. Nessa sessão será exibido o longa-metragem “Fabiana” (Brunna Laboissière, 2018. 1h15. 12 anos), em parceria com o projeto “Mira la Calle”, do Coletivo Vila Verde, que exibe filmes ao ar livre em praças públicas da cidade.

 

19 a 31 de março

ARTES VISUAIS | 19 a 31 de março | 10h-16h | Exposição Pretas inCorporações: A mulher preta na arte, entre cores, corpos e ações - Pretas inCorporações | Pinacoteca

Com curadoria de Andrea Mendes, a exposição que reúne trabalhos de jovens artistas negras em múltiplas linguagens, temáticas, estéticas e poéticas, pretende sensibilizar o público apontando o déficit na exibição e indicações de artistas negras, não por falta de qualidade técnica, criatividade ou conceito, mas por invisibilidade imposta pelo racismo e sexismo no meio da arte, predominantemente masculino e branco.

 

20 de março | quarta-feira

VIVÊNCIA | 10h-12h | Árvores de Perguntas - Núcleo Doze | Praça da Matriz

Intervenção arte-educativa proposta pelo Núcleo Doze de arte educação traz três árvores cenográficas, onde são penduradas questões sobre arte, mulheres, a mulher enquanto artista e aos temas transversais deste festival. As artistas educadoras interagem com o público, convidando a responder por meio de desenho, escrita ou outra forma, às questões das árvores, inserindo suas respostas (ou novas perguntas) nelas.

BATE-PAPO | 19h-20h30 | Mulheres na produção cultural - Carol Reto, Heloisa Oliveira, Katia Manfredi | Fermata

Uma roda de conversa com as produtoras culturais da cidade Carol Reto (Respeitável Público), Heloisa Oliveira (Mecenaria Produção Cultural) e Katia Manfredi (Tomada Cultural), abordando aspectos da identidade da mulher na produção cultural, seus desafios e aprendizados, dentro da realidade do interior do estado de São Paulo.

MÚSICA | 20h30-21h30 | Pocket show viola - Marina Ebbecke | Fermata

Marina é violeira paulistana radicada em Jundiaí, anfitriã do Circuito Violada em Jundiaí. Busca trazer novas sonoridades na viola brasileira, somando à linguagem tradicional do instrumento. Apresenta canções autorais, releituras de canções da mpb e interpretações instrumentais, com influências da música caipira, clube da esquina, rock, folk e música popular brasileira. 

 

21 de março | quinta-feira

BATE-PAPO | 19h-20h30 | Mulher, Artista, Mãe - Sandra Modesto | Casa Arauá

Através de uma perspectiva histórica da presença da mulher nas artes (em especial no teatro), aliada às suas experiências pessoais como artista e mãe, a atriz jundiaiense Sandra Modesto, integrante da Cia Mungunzá de Teatro propõe um debate sobre o local da mulher artista, em especial da mulher-artista-mãe, identidade ainda invisibilizada na contemporaneidade.

LITERATURA | 20h30-22h | Slam: lançamento do livro e bate-papo - Mariana Felix | Casa Arauá

Atividade com lançamento do livro, intervenções poéticas, roda de conversa sobre publicação independente da escritora, slammer, militante feminista e apresentadora Mariana Felix, que tem dois livros publicados: "Mania" (2016) e "Vício" (2017) ambos com poesias, crônicas e dissertações sobre o empoderamento feminino, a relação da autora com a cidade e o amor. 

 

22 de março | sexta-feira

MEDIAÇÃO | 08h-10h | Mediação da Mostra Delas para educadores - Núcleo Doze | Galeria Fernanda Perracini Milani (Teatro Polytheama)

Mediação da Mostra Delas, voltada para educadores, com o Núcleo Doze de arte-educação, a fim de abrir diálogos sobre os processos e trabalhos presentes na exposição, proporcionar experiências e ampliar os pontos de contato entre a exposição e o público, expandindo percepções e entendimentos, tornando esse diálogo mais significativo, com uma dinâmica pensada a partir das provocações trazidas pelas obras.

DANÇA | 20h-22h | Mostra Delas de Dança - À Margem Coletivo de Dança, Art no Ar - Circo e Dança, Entrelacê Cia de Dança, Grupo GiraSaia | Sala Jundiaí (FEPASA)

Esta primeira edição da Mostra Delas de Dança, feita por chamamento aberto e seleção pela equipe do Festival, tem por objetivo apresentar ao público um recorte do que está sendo criado em dança em Jundiaí e região, propondo encontros entre artistas, visando o protagonismo de mulheres. Serão apresentadas quatro coreografias de temáticas, linguagens e narrativas diversas.

MÚSICA | 23h-03h | Clandestinas: rock & luta feminista & LGBT - Clandestinas | Zeroonze

Com as suas músicas, corpos e afetos, Clandestinas combatem o machismo, o patriarcado, a LGBTfobia, o racismo, o capitalismo e toda forma de opressão imposta pela hétero-cis-normatividade. Não são artistas buscando sucesso: são militantes na cena musical com suas bandeiras de luta feminista & lgbt. Aline Maria (percussão/voz), Alline Lola (guitarra/voz), Camila Godoi (contrabaixo/voz) e Natália Benite (bateria/voz).

 

23 de março | sábado

MEDIAÇÃO | 11h-13h | Mediação da Mostra Delas - Núcleo Doze | Galeria Fernanda Perracini Milani (Teatro Polytheama)

Mediação da Mostra Delas, aberta ao público interessado, com o Núcleo Doze de arte-educação, a fim de abrir diálogos sobre os processos e trabalhos presentes na exposição, proporcionar experiências e ampliar os pontos de contato entre a exposição e o público, expandindo percepções e entendimentos, tornando esse diálogo mais significativo, com uma dinâmica pensada a partir das provocações trazidas pelas obras.

TEATRO | 15h-16h | Coletivo Cafuzas pede a benção a grandes heroínas - Coletivo Cafuzas | Pinacoteca

O Coletivo Cafuzas reverencia, de forma musical, lúdica e poética, mulheres importantes para a história do Brasil, cujos feitos são pouco divulgados; as biografias dessas corajosas e brilhantes personalidades - Clementina de Jesus, Nise da Silveira, Mãe Menininha do Gantois, Margarida Maria Alves, Maria da Penha e outras -, retiradas de livros escritos por e sobre mulheres, servem de inspiração e abrem caminhos.

BATE-PAPO | 16h-18h | reSignificar o corpo preto na arte - Andrea Mendes e coletivo Pretas inCorporações | Pinacoteca

.O coletivo de artistas Pretas inCorporações propõe uma discussão sobre o corpo negro na arte como espaço de significação e luta contra os estereótipos atrelados à sua corporeidade. O bate papo contará com a presença das artistas que compõe a mostra Pretas inCorporações.

DANÇA | 20h-21h | Eu, Elas - Juliana Moraes | Ballet Teatro Oficina

Este solo da bailarina Juliana Moraes parte de gestos e posturas socialmente aceitos como femininos no ocidente, especialmente a partir dos anos 50, para desconstruir e questionar esses comportamentos aprendidos. Movendo-se intensamente, porém sentada durante 30 minutos, elabora uma dramaturgia alicerçada na acumulação de gestos em diferentes partes do corpo, criando apuradas combinações.

 

24 de março | domingo

LITERATURA | 14h-15h | Coleção de Histórias: Lá vem elas… - Cia Na Ponta da Língua | Jd. Botânico

Histórias divertidas de personagens astutas, corajosas e audaciosas, que chamam a atenção de todos que as conhecem. De rainhas a camponesas, elas sabem muito bem o que querem e não pouparão esforços para alcançar seus objetivos. Uma coleção de histórias que são um tesouro da tradição oral para meninas de todas as idades.

TEATRO | 15h-16h | Histórias do mundo - UM Núcleo de Teatro e Baque Delas | Jd. Botânico

No espetáculo Histórias do Mundo, o grupo teatral UM Núcleo de Teatro e o grupo de maracatu Baque Delas, ambos de Jundiaí, trazem histórias e músicas inspiradas em narrativas africanas; mistura teatro, contação de história e música para falar e fazer pensar sobre a origem do mundo e a nossa própria origem. A indicação do espetáculo é livre, sendo interessante para crianças e adultos.

CINEMA | 16h-18h | Cineclube Delas - sessão 2 - Julia Canineo (curadoria) | Sala Cult (Shopping Paineiras)

Sessão de filmes relacionados ao universo feminino, produzidos e dirigidos por mulheres, com bate-papo ao final da sessão com Julia Canineo (curadoria) e Thais Craveiro. Nessa sessão serão exibidos os curta-metragens “Sou MC Carol, 100% Feminista” (Merícia Cassiano, 2018. 14min. 12 anos), “Catadora de gente” (Mirela Kruel, 2017. 18 min. Livre), “Amor, só de mãe” (Julia Hannud e Catharina Scarpellini, 2018. 24 min. 14 anos), “Cor de pele” (Livia Perini, 2018. 15 min. Livre).

 

26 a 29 de março | terça a sexta-feira

OFICINA | 9h-13h | Onde você se amputa para caber? - Lili Monteiro | Casa Arauá |  Atividade com inscrições prévias*

Ministrado pela diretora Eliana Monteiro, do Teatro da Vertigem (SP), o workshop aborda e investiga questões do feminino a partir do processo de criação do teatro, principalmente de seu espetáculo "Enquanto Ela Dormia". Será montada uma apresentação coletiva com as participantes ao final do workshop.

 

26 de março | terça-feira

OFICINA | 18h-22h |  Iluminação Cênica - Rebeka Konopkinas | CEU das Artes | Atividade com inscrições prévias*

Uma oficina teórica e prática que tem o objetivo de proporcionar uma vivência para as mulheres nos fundamentos básicos da iluminação cênica. Viajaremos desde a história da iluminação até o conhecimento prático de elétrica e montagem, para entender como funciona o cotidiano de um profissional da luz e as possibilidades de trabalho.

 

27 de março | quarta-feira

BATE-PAPO | 19h-21h | A Moda em Mim - Bianca Botelho | Vila Verde

A consultora de estilo Bianca Botelho traz para o debate um olhar cultural que entende moda criada por mulheres como forma de expressão de sua arte, num bate-papo sobre as relações entre a moda e a arte através da história pelo olhar e fazer de mulheres que de várias maneiras revolucionaram e quebraram paradigmas.

 

28 de março | quinta-feira

LITERATURA | 15h-17h | Poemas Passageiros - Stella Ramos | Praça Rui Barbosa

Poemas Passageiros é uma intervenção poético-espacial desenvolvido pelo coletivo Zebra5 sobre poemas de Stella Ramos, num jogo literário em que os participantes são convidados a rearranjar as palavras em grandes dimensões desses textos, produzindo livremente desdobramentos literários, integrando diversas faixas etárias com conversas, sensibilizações, escutas e acolhimento das expressões do público.

BATE-PAPO | 19h-21h | (Des)construindo o Festival Delas - Isadora Reis, Heloisa Oliveira, Katia Manfredi, Mariana Benatti e Paula Pimenta | Casa Amarela

Para quem tem interesse em produzir eventos, articular ideias e conectar pessoas com objetivos comuns, a equipe do Festival Delas vem compartilhar experiências, desafios, conceitos e práticas dos processos de construção do festival, num panorama da trajetória desde seu início independente, crescimento e leis de incentivo, criando espaços, formando e capacitando mulheres nas artes e em todas as etapas de produção.

 

29 de março | sexta-feira

ARTES VISUAIS | 16h-18h | Performance Mamilas - Cal Kielmanowicz | Casa Arauá

Esta ação coletiva compreende o final do processo Mamilas, um objeto-performance onde as participantes vestem em ambiente público uma camiseta estampada com o seu corpo e observam a reação das pessoas, para questionar comportamentos culturais que consideram imorais mamilos femininos e masculinos não. O trabalho iniciou-se antes do Festival com chamamento aberto, fotografia do corpo das participantes e produção das camisetas.

BATE-PAPO | 19h-21h | Performance contemporânea - Cal Kielmanowicz | Casa Arauá

Conversa com a artista sobre sua pesquisa, referências, mulheres que inspiram na arte contemporânea acompanhada do grupo de mulheres que participaram da ação MAMILAS com o objetivo de materializar e evidenciar em palavras as sensações intersubjetivas que derivarem da ação.

 

30 de março | sábado

BATE-PAPO | 15h-17h | Indígena, Mulher e Artista - Katú Mirim | Casa Arauá

A artista Katú Mirim traz para o debate sua vivência enquanto mulher, artista e indígena, questionando os entrelaçamentos e as características próprias de cada uma dessas questões.

OFICINA | 18h-21h | Percussão e Danças Brasileiras para Mulheres - Amanda Melissa | Casa Arauá | Atividade com inscrições prévias*

A oficina oferece vivência e experimentação da percussão brasileira, suas levadas e sons essenciais, de forma coletiva e horizontal, em ritmos da cultura popular brasileira e afro-brasileira (Ijexá, Sambas, Cocos, Congos), com instrumentos percussivos e danças tradicionais; visa a ocupação da mulher neste universo mais masculino, com a percepção e empoderamento do ser/corpo rítmico que somos. 

 

31 de março | domingo

MÚSICA | 16h-22h | Palco Delas: Música Urbana - Míria Alves, Luiza Lian, Lurdez da Luz, Ma Boo, DJ Maravilha, Safo de Lesbos, VJ Rebeca Konopkinas | Praça do Fórum

Ampliando as atividades musicais do Festival Delas, ocupando a cidade com artistas locais e convidadas do cenário independente nacional, o Palco Delas: Música Urbana traz artistas que transitam entre os gêneros musicais que ecoam das cidades - canção popular, rap, funk, trap e demais vertentes eletrônicas atuais -, com intervenções visuais mapeadas ao vivo.

 

 

IDEALIZAÇÃO Festival Delas REALIZAÇÃO Proac SP e Governo do Estado de São Paulo PRODUÇÃO EXECUTIVA Heloísa Oliveira (Mecenaria Produção Cultural) | PRODUÇÃO ARTÍSTICA Katia Manfredi | CURADORIA Isadora Reis, Mariana Benatti e Paula Pimenta | ASSISTÊNCIA DE PRODUÇÃO Jacqueline Willik | COMUNICAÇÃO Malu Borin | DESIGN GRÁFICO Rafaela Dardengo e Mari Moura | ASSESSORIA DE IMPRENSA Amanda Sousa | VÍDEOS Julia Zulian | SOM E LUZ Natália  Benite e Iara Zanatta | MONTAGEM Pedro Calzoli e Rebeca Konopkineas | APOIO Alessandro Celante, Art no Ar, Ateliê Casarão, Ballet Teatro Oficina, Bar do Haules, Casa Amarela, Casa Arauá, Fermata, Teatro Polytheama, Prefeitura de Jundiaí, Sala Cult (Shopping Paineiras)